Pesquisar

Mês

Janeiro 2013

Escuta Cultural em Pirassununga

Está marcado: dia 31 de janeiro de 2013, às 19:30, no Teatro Municipal Cacilda Becker, em Pirassununga/SP. Neste dia, horário e local acontecerá um processo chamado Escuta Cultural. que está sendo organizado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Pirassununga e responde à crescente organização de artistas, agentes e produtores culturais, e muitos outros cidadãos pirassununguenses empenhados na criação de uma sólida e democrática política cultural para a cidade.

Ao que tudo indica, a escuta cultural consistirá num processo de levantamento da demanda desses diversos atores culturais da cidade tendo em vista a formação de um conselho de política cultural na cidade e a necessária transformação do modo como se conduz a política cultural na cidade (de modo personalista, politiqueiro e nada democrático). Ou seja, estamos em vias de constituir políticas públicas em Pirassununga no que diz respeito à cultura.

É importante destacar a participação popular nesse processo. Desde o início de 2011 constituiu-se na cidade um espaço para discutir e pensar em meios de promover a democratização da cultura por aqui. Artistas, estudantes, professores, bibliotecários, produtores e agentes culturais das mais diversas áreas tem participado do processo que culminou com a entrega de uma carta aos candidatos que concorreram ao cargo de prefeito na última eleição. Este fórum foi denominado ATITUDE – Há cultura em Pirassununga.

Desde que assumiu a pasta, o secretário Kleber Gabriel tem mantido diálogo com este fórum. Embora a secretaria ainda não tenha fornecido informações detalhadas sobre o evento do dia 31, foi informados na última reunião que deverão ser realizados dois procedimentos: uma apresentação geral do estado das políticas culturais no Brasil contemporâneo, seguida de uma dinâmica que agrupará as pessoas de acordo com as áreas em que estão engajadas (teatro, música, dança, audiovisual, etc). Não se sabe também como será divulgado o resultado do processo.

Agora é o momento de articularmos o máximo de pessoas interessadas na democratização da cultura em nossa cidade. Basta convidar qualquer pessoa que tenha vontade de falar sobre a falta que faz um cinema na cidade;sobre o quanto queremos cursos de teatro, dança, pintura, etc em cada bairro; sobre como é triste ver as construções antigas de nossa cidade sendo destruídas; etc. etc. etc.

Lembrando: Escuta Cultural. Dia 31/01. Horário 19:30. Local Teatro Cacilda Becker. Aberto a toda a comunidade.

O grupo ATITUDE mantém um grupo no Facebook, que pode ser acessado clicando AQUI.

Imagem

Acompanhe as discussões, as datas dos encontros, além de compartilhar informações sobre editais, trocar experiências, etc.

 

Matéria no Jornal O Movimento com a entrega da carta aos candidatos
Atitude O Movimento

Matéria no Jornal JC Regional com a entrega da carta aos candidatos
atitude  JC

(Agradeço ao Reinaldo Facchini pelas imagens)

o retorno do monstro (catharsis – faixa inédita)

Ser livre no império de empresários e autoridades.
Ser lúcido entre ondas de ar e sedativos.
Acreditar em si próprio sob a tirania da realidade consensual.
Ser sensível vivendo ao alcance de oficinas com condições desumanas, estádios e matadouros
Com o cheiro de sangue no ar.
Sonhar com beleza, com as estrelas arrancadas do céu.
Os anjos engaiolados e os heróis demonizados.
Cantar com a garganta cheia do algodão da inibição.
Escrever sobre graça com mãos calejadas e faces ensangüentadas:
Ousar gritar, e até chorar, orgulhosamente, ante os olhos zombadores dos juízes, do carrasco e da multidão.
Mentir, enganar, roubar e trair o quanto for necessário
Ser honesto,
Dizer a verdade.
Não ter medo: mover-se e seguir esse movimento
Até mesmo na morte, viver para se incendiar nos escombros.
Dar tudo:
Beijar sem apreensão, vergonha ou comedimento,
Fazer amor na cidade do ódio.
E sim, estar vivo.
Vivo na terra dos mortos.

 

Desde o princípio da semana começaram a circular pelo Facebook alguns vídeos de shows da banda Catharsis.

O Catharsis é uma banda emocore, de algum lugar dos estados unidos, que terminou em 2002. Agora, uma década passada, reuniram-se para realizar alguns poucos shows e, de quebra, o coletivo Crimethinc irá lançar uma grande caixa com toda a discografia dos caras em vinil.

Uma das faixas a ser lançada chama-se Absolution e é totalmente inédita (para mim, pelo menos!). Alguém, no espírito do comum e abençoado por São Precário, decidiu compartilhar a música via web! Tentei construir um daqueles vídeos que não são vídeos no youtube com o som, mas não deu. Fiz então este soundcloud para toda a galera.

O som é duro. Trágico. É ouvir uma vez para sentir aquela forte presença nietzscheana da tragédia. O mundo está aí, é mesmo uma porcaria, mas é nele que estamos e vamos nos virando. Sem drama.

notinha sobre o papa e a educação das crianças

 

Se as crianças conseguissem que seus protestos, ou simplesmente suas questões, fossem ouvidos em uma escola maternal, isso seria o bastante para explodir o conjunto do sistema de ensino.

Deleuze

 

O mesmo pode ser dito a respeito do papa Bento (Maldito?) 16. Sua recente declaração a respeito das teorias de gênero mostra, antes de mais nada, a fragilidade de uma igreja que tem suas estruturas (de pedra e de palavras) caducas. Sua estratégia, penso eu, consiste em cobrir todos os lugares que possam desconstruir o que ele e sua igreja pensam a respeito do mundo e da vida como um todo.

Sua igreja, aliás, está em defesa de que? Daquilo que já está dado de antemão! Quase tudo é produzido de modo a barrar a invenção de modos de vida singulares.

Com relação às crianças e sua educação (seria antes necessário dizer sua configuração!), as crianças chegam a um mundo em que a única possibilidade consagrada é a da heterossexualidade. Elas devem tão somente integrar-se a essa possibilidade. Dizem: isso é natural e está nas escrituras. Dizem: os desvios podem e devem ser corrigidos, pois são uma ameaça às crianças, à família, à humanidade.

Os efeitos disto podem ser sentidos e percebidos de diferentes modos. Beatriz Preciado, num artigo publicado um dia após uma marcha ocorrida na França contra o “casamento gay”, nos permite ver por meio de suas palavras que aqueles que afirmam estar defendendo as crianças e seus direitos estão, efetivamente, defendendo tão somente o poder de educar os filhos dentro da norma sexual e de gênero, como se fossem supostamente heterossexuais. Defendem o direito das crianças serem educadas para tornarem-se futuros úteros e  futuros produtores de esperma, força de trabalho e de reprodução (retomando as trágicas imagens do artigo de Beatriz). 

Prefiro ficar com Deligny: não tenho a intenção de educar ninguém, só a intenção de criar as circunstâncias favoráveis para que se saiam bem e para que vivam. Que nosso trabalho seja capaz de potencializar as muitas invenções das crianças – com suas roupas, com seus corpos, com seus pensamentos e com suas palavras.

Este mundo e esta vida são muito mais fortes do que o outro mundo e a morte que norteiam Maldito e sua corja!

assembleia na associação de moradores

Uma pequena pausa na redação do texto da dissertação para contar um causo que me deixou bem animado ontem.

Assembleia

Nesta quarta-feira, 16 de janeiro, realizamos a primeira assembleia do ano na associação de moradores do conjunto habitacional vila esperança.

Foi muito bacana. Havia alguns moradores que estiveram na primeira diretoria da associação, ainda em 1982.

Foi uma assembleia destinada a alterar alguns pontos do estatuto, a fim de possibilitar que realizemos mais atividades em nossa sede.

Memória

Soube que no início a associação, que hoje é um prédio construído com blocos e telhas de amianto, era um espaço construído em madeira. Que havia um parquinho para as crianças brincarem. E, ainda, que havia uma carteirinha para os associados.

Naqueles anos a vila esperança era o único bairro construído na zona norte de pirassununga. Ficava entre chácaras, sítios e fazendas. O acesso ao centro da cidade era restrito. Assim, a associação cumpria papéis diversos: recreativo, religioso, organizacional (pelo menos).

Hoje

Qual papel pode cumprir a associação hoje? Hoje, quando a zona norte da cidade tem vários outros bairros (cerca de dez), quando as chácaras-sítios-fazendas já não compõem o entorno da vida, quando há uma linha de ônibus específica para o bairro (ainda que a passagem seja um roubo), quando carros e motos estão em muitas casas, quando o poder público já construiu e implementou diversos equipamentos de diversos setores?

Talvez um papel importante seja garantir que esses equipamentos funcionem. Talvez a realização de atividades culturais que estão ausentes da cidade (cineclube, por ex.). Talvez um espaço multimídia em funcionamento nos finais de semana. Talvez mais coisas.

Estamos combinando a realização de uma pesquisa com os moradores da vila para pensar nisso com os pés no chão. Trinta anos se passaram desde a fundação do bairro e todas essas coisas mudaram.

Depois de ter vivido experiências maravilhosas em outras cidades, dá uma alegria danada atuar dentro da associação de moradores do bairro onde minha família vive há cerca de 20 anos!

Que tenhamos mais alegrias e um caminho cheio de vitórias!

Publicação no jornal O Movimento (Pirassununga) no dia 09-01-2013
Publicação no jornal O Movimento (Pirassununga) no dia 09-01-2013

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑